ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC): UM CONVITE AO DEBATE

Autores

  • CLÉLIA BRANDÃO ALVARENGA CRAVEIRO UNIVERSIDADE DE GOIÁS/UFG
  • Mayara PUC/GOIÁS

Resumo

Este trabalho tem como ponto de partida a monografia que orientei no primeiro semestre2020. O trabalho da orientanda Mayara foi classificado como excelente pela banca avaliadora, assimresolvemos transformá-lo neste artigo, com o objetivo central de realizar uma reflexão sobre a trajetóriade elaboração, aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), bem como, as aprendizagens,os conhecimentos, habilidades, atitudes, valores, a capacidade de os mobilizar, articular e integrar,expressando-se em competências enfim, registro divergências entre alfabetização e letramento e aBase Nacional Comum Curricular (BNCC). Destaca que a ação pedagógica deve ter como foco, nosanos iniciais do ensino fundamental, a alfabetização. Os estudos depositaram destaque no Documentoaprovado em 2017 intitulado Base Nacional Comum Curricular. Discorre sobre a importância daalfabetização como processo complexo e aponta para os limites contidos nas orientações registradasna BNCC, Documento de caráter normativo de referência para todos os currículos da Educação Básicado País. A trajetória do processo de formulação de uma base nacional, para além do que a legislaçãoeducacional já previa, se estendeu entre período de 2013 a 2017, com prioridade para a EducaçãoInfantil e o Ensino Fundamental.

Referências

ALVES, Nilda. Sobre a possibilidade e a necessidade curricular de uma base nacional comum. Revista e - Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p. 1464-1479, abr. 2020.

AZEVEDO, F. et al. Manifesto dos pioneiros da educação nova (1932) e dos educadores (1959). Recife, PE: Fundação Joaquim Nabuco, 2010. (Coleção Educadores MEC).

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer nº 14/2000, de 03 de julho de 2000. Responde consulta da Presidente do Conselho Estadual de Educação quanto ao tratamento pedagógico legal dispensado à

parte diversificada do currículo. Diário oficial da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pceb14_00.pdf> Acesso em: jun. 2020.

______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: abr. 2020.

______. Lei n. 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394. htm>. Acesso em: mar. 2020.

______. Resolução CNE/CEB nº 2, de 7 de abril de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília: MEC, 1998. Disponível em: <http://www.educacaorc.com.br/media/biblioteca/2020295/ resolucaocne_ceb2_ 98.pdf. Acessado em: 15 maio 2020.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de

ducação Básica. Resolução Nº 7, de 14 de dezembro de 2010a. Disponível em: http /portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pd>. Acesso em abr.

______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 4/2010b. Disponível em:

______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB/DICEI, 2013.

______. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 30 nov. 2019. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011- 2014/2014/lei/l13005.htm.

______. Ministério da Educação e do Desporto. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: SEE/CNE, 2017.

______. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, 1989.

______. Alfabetizando sem o Bá-Bé-Bi-Bó-Bu: pensamento e ação no magistério.

São Paulo: Scipione, 1998.

CARVALHO, Janete Magalhães et al. O silenciamento de professores da Educação Básica pela estratégia de fazê-los falar. Pro. posiçoesUFES, Vitória, ES, Brasil V. 29, N. 2 (87) | maio/ago. 2018 235-258

COUTO, Lúcia Helena. Currículo como direito de aprendizagem: uma experiência nacional para o Ciclo de Alfabetização. 2014. 120 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2014. Disponível em:

<https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/9817/1/Lucia%20Helena%20 Couto.pdf>. Acessado em: abr. 2020.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A educação básica como direito. Cadernos de Pesquisa, Minas Gerais, v. 38, n. 134, maio/ago. 2008. Disponível em . Acessado em: 15 de maio de 2020.

FREIRE, Paulo. Professora sim tia não: cartas a quem ousa ensinar. 8. ed. São Paulo: Olho d’Água, 1997.

______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo:

Editora UNESP, 2000.

FREITAG, Bárbara. Escola, estado e sociedade. 4. ed. São Paulo: Editora Moraes, 1980.

FREITAS Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Revista Educação e Sociedade. Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out./dez., 2014.

GHIRALDELLI JR, P. História da educação. São Paulo: Cortez, 1990.

LEDESMA, Maria Rita Kaminski. Evolução histórica da educação brasileira: 1549- 2010. Paraná: Unicentro, 2010. Disponível em: <http://repositorio.unicentro. br: 8080/jspui/bitstream/123456789/817/5/Evolu%C3%A7%C3%A3o%20

Hist%C3%B3rica%20da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Brasileira%20 -%20Maria%20Rita% 20Ledesma.pdf> Acesso em: 20 maio 2020.

LEITE, Sérgio Antônio da Silva (Org.). Alfabetização e Letramento: contribuições para as práticas pedagógicas. S. Campinas: Komedi: arte escrita., 2001.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p.1530-1555, out./dez., 2014.

MORTATTI, M. R. Alfabetização no Brasil: conjecturas sobre as relações entre políticas públicas e seus sujeitos privados. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 44, 2010.

MOVIMENTO PELA BASE. Disponível em: <http://movimentopelabase.org. br>. Acesso em: 14 abr. 2020.

NOLASCO, P. C. Educação Jesuítica no Brasil Colonial e a Pedagogia de Anchieta: catequese e dominação. Campinas, 2008. Dissertação (Mestrado) - UNICAMP, Campinas, 2008.

PAIM, Marilane Maria Wolff. Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores. In: X ANPED SUL, Florianópolis, 2014. Disponível em:

faed.udesc.br/arq_pdf/1755-0.pdf>. Acesso em: 05 nov. 2019.

PERONI, Vera Maria Vidal; CAETANO Raquel Caetano. O público e o privado na educação projetos em disputa? Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 337-352, jul./dez., 2015. Disponível em: . Acesso

em: 30 mar. 2020.

PERTUZATTI, I.; DICKMANN, I. Quais as convergências e divergências da BNCC com as demais políticas públicas educacionais brasileiras? [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2020. Disponível em: <https://humanas.blog.scielo.

org/ blog/2020/02/04/quais-as-convergencias-e-divergencias-da-bncc-com-asdemais- políticas-publicas-educacionais-brasileiras/> Acesso em: 10 jun. 2020.

ROMANELLI, O. História da educação no Brasil. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1985.

SILVA, M. R. D. Disponibilizada a terceira versão da Base Nacional Comum Curricular pelo MEC – abril 2017. Observatório do Ensino Médio, abr.,

Disponível em: <http://www.observatoriodoensinomedio.ufpr.br/ disponibilizada-a--terceira-versão-da-base-nacional-comum-curricular-pelo-- MEC/> Acesso em: 02 dez de 2019.

SILVA, S. A.; MAZZUCO, N. G. História e políticas de educação no Brasil Império. Cascavel: Unioeste, 2005.

TEIXEIRA, E. C. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. 2002. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/ dados/cursos/aatr2/a_pdf/03_aatr_pp_papel.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

TRICHES, Eliane de Fátima. A formulação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e concepções em disputa sobre o processo alfabetizador da criança (2015-2017). Tese (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Grande Dourados, Mato Grosso do Sul. Disponível em: <http://files.ufgd. edu.br/arquivos/arquivos/78/MESTRADO-DOUTORADO-EDUCACAO/

Eliane%20Triches%20%20Disserta%C3%A7%C3%A3o%20finalizada%20 22.04.2018%20cat%201.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2020.

VAL, Maria da Graça Costa. O que é ser alfabetizado e letrado? 2004. In:

CARVALHO, Maria Angélica Freire de (Org.). Práticas de leitura e escrita. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2020-12-14